skip to Main Content

De Conchas a Ministros

Em Março, durante o Workshop Técnico Regional do projeto ResilienSEA, Joal-Fadiouth (Senegal), parte da equipa do projeto visitou a associação local de maricultural e reflorestamento “Mboga Yaye”. Na maré baixa, uma embarcação local levou-nos ao encontro das mulheres que trabalhavam duro na colheita de conchas para que pudéssemos ver e conversar sobre o seu trabalho. O clima era jovial e, quando nos aproximamos, elas saudaram-nos com algumas canções.

Assistimos a elas separarem as conchas com baldes e peneiras de plástico, e limpá-las da lama em que estavam. As conchas reunidas nas águas trepidas são maioritariamente conchas de arca, mariscos e mexilhões. As mulheres também colhem ostras que crescem na casca do mangue e nas redes instaladas entre os troncos. É por isso que a associação está envolvida no reflorestamento de mangais, para garantir a sustentabilidade da colheita de ostras.

Bintu Sonko recolhe ostras dos mangais. Crédito: Guillaume Collanges.

Bintu Sonko, presidente da Associação Mboga Yaye, disse-nos que há falta de equipamento adequado, como botas de mergulho, luvas, embarcações, etc. A escassez de equipamento dificulta a colheita. A associação conta com 110 mulheres membros; cada membro contribui com uma taxa anual para a associação, que é redistribuída durante o Eid-Al-Adha. A celebração muçulmana, chamada Tabaski na região, é a época mais importante do ano para a comunidade Serer.

Em 2004, o governo senegalês criou em torno de Joal-Fadiouth uma Área Marinha Protegida (MPA) para melhorar a conservação dos recursos (nomeadamente a pesca) e de todos os ecossistemas relacionados, como as ervas-marinhas e mangais. De acordo com o Coronel Boucal Ndiaye, Diretor da Direction des Aires Marines Communautaires Protégées(DAMCP – Direção das Áreas Marinhas Comunitárias Protegidas), que também participou no workshop, “a criação da AMP em 2004 tem contribuído positivamente para a gestão sustentável da colheita de conchas pela associação Mboga Yaye (e outras). A tarefa atual é ajudar as mulheres a ganharem um rendimento adequado ao assegurar que esta tradição ancestral pode continuar respeitando os processos naturais”.

Desde então, as mulheres permanecem cerca de um mês em cada local de colheita antes de passarem para outro; rotação de local dentro da AMP permite o descanso biológico necessário para a regeneração do recurso. Os períodos em que um determinado local está aberto para a colheita são decididos em consulta com outras associações de mulheres de Fadiouth e o gestor da AMP, o capitão Cheikh Diagne.

Resultado de um dia de trabalho intenso: um balde cheio de conchas de arco. Crédito: Rob Barnes

Uma vez colhido, a transformação do produto é bastante simples; as conchas são lavadas e vendidas como estão. A associação poderia duplicar as suas vendas vendendo o produto fresco, mas isso seria mais complexo, uma vez que autorizações especiais são necessárias e a conservação é mais difícil. A associação está a tentar modernizar e treinar os membros nessa direção.

A receita gerada pela maricultura ajuda a cobrir as despesas da casa, mas em alguns casos, permite que a família pague as taxas escolares. Os estudantes mais brilhantes obtêm bolsas de estudo para estudar na universidade em Dakar ou mesmo no exterior. Não é uma coincidência que Léopold Sédar Senghor, o poeta que serviu como o primeiro presidente do Senegal de 1960 a 1980, fosse natural de Joal. Vários ministros (François Bopp, Joseph Ndong, Aïssatou Sophie Gladima Siby, André Sonko, etc.) nasceram aqui e, em muitos casos, o financiamento de sua educação pode ser relacionado com as receitas gerada pelas mulheres que colecionam conchas.

Era importante para a equipa ResilienSEA visitar esta associação e ver se a ligação entre a conservação de ervas marinhas e esta atividade económica poderia ser feita. Os ecossistemas de ervas marinhas e mangais fornecem vários serviços para o ambiente local, para as pessoas e a economia da região. Estes incluem o provisionamento de berçários para inúmeras espécies de peixes (tartarugas marinhas e peixes-boi), a estabilização de sedimentos e proteção da costa contra tempestades, e a sequestração carbono. Outro serviço ecossistémico significativo é o da regulação da qualidade da água. Como diz Mohamed Ahmed Sidi Cheikh, um perito em ervas marinhas da Mauritânia, “os tapetes de ervas marinhas desempenham um papel importante na melhoria da qualidade da água; os tapetes de ervas marinhas contribuem para a purificação das águas costeiras através da absorção de múltiplas substâncias (azoto, carbono e outros vestígios de metais).”

Ecossistemas de ervas marinhas saudáveis são vitais para Bintu Sonko e sua associação, conforme ela explica “a criação da AMP em 2004 aumentou nosso conhecimento sobre os ecossistemas de ervas marinhas; agora sabemos o papel crucial que desempenham nas nossas atividades de maricultura. Qualquer redução na extensão dos prados de ervas marinhas na AMP teria sérias consequências para nós e para as nossas receitas.”

Abdou Karim Sall, presidente da associação de pescadores senegaleses, está ciente do papel que as ervas marinhas desempenham na pesca, mas também na colheita de conchas marinhas. Ele defende a conservação sustentável dos ecossistemas de ervas marinhas há vários anos. Ele disse-nos que “os mariscos são fundamentais para a economia local como uma atividade geradora de rendimento. Os tapetes de ervas marinhas estão no fundo da cadeia alimentar e são essenciais para os mariscos, para a pesca e para a segurança alimentar em Joal-Fadiouth.”

A equipa que fez a visita incluiu a gestora do projeto ResilienSEA, Tanya Bryan, e alguns jornalistas de Dakar. Crédito: Rob Barnes.

No final da visita, Tanya Bryan, Gestora do Projeto ResilienSEA, disse: “Fiquei realmente impressionada com o aspeto comunitário desta associação e com o bom desempenho das mulheres. A colheita de conchas marinhas faz parte da cultura Serer há gerações, mas ver esta atividade evoluir como um recurso económico sustentável para as mulheres e respetivas famílias mostra de novo quão relevantes são os ecossistemas de ervas-marinhas para as pessoas, a economia e o ambiente em Joal-Fadiouth, e na África Ocidental como um todo.”

A trabalhar arduamente durante a maré-baixa na recolha de conchas de arco. Crédito: Rob Barnes.

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Back To Top